background

Edu-communication and urban regeneration: young people mobilize to tell stories and visions of a sustainable future in the parish of Campanhã


February 11, 2021

Educommunication and urban regeneration: young people mobilize to tell stories and visions of a sustainable future in the parish of Campanhã

(Este artigo em português abaixo)

Four training meetings, meetings to prepare scripts and interviews, field trips for the production of photographs and videos. This is how a group of 8 young people and technicians from the URBiNAT Project are creating new narratives about the parish of Campanhã in Porto, through community communication.

This concept is integrated into URBiNAT through the Campanh’Up Platform, a proposal for Communication and Interaction co-created with citizens in URBiNAT’s PortoLiving Lab. The idea is that training in community communication will strengthen the active involvement of the community in the social issues in which they are involved.

Training meetings are focused largely on promoting and communicating the territory, telling the stories of its residents, and echoing their life and community projects through Campanh’Up.

The training covers the following topics during virtual workshops:

  • Educommunication and the power of social networks
  • Diagnosis of the use of social networks in URBiNAT
  • How to conduct an interview, an article and a press release
  • Instruments for making a photo report
  • Tools for making a video for social media
  • Community communication: what is it and how is it done?
  • Mapping the territory’s communication assets
  • Collective construction of a sustainable work plan to strengthen the Campanh’Up platform

The basis of the work methodology proposed by Viração is Educommunication. It is a field of knowledge and socio-cultural intervention defined as “the set of actions aimed at planning and implementing practices aimed at creating and developing open and creative communicative ecosystems in educational spaces, thus guaranteeing increasing possibilities of expression to all members of the educational community”, (Professor Ismar de Oliveira Soares, Center for Communication and Education, University of São Paulo, Brazil.

Paulo Lima, founder and executive director of Viração, explains that communication tools are simultaneously understood as a process and a product. These are processes because it is through them that young people and adults will begin to open up to the knowledge of themselves and their territory, conducting interviews, mapping, photographing and researching.

“This process will be consolidated into collaborative communication products, that have the potential to involve other participants, expand the network of people working for the sustainable future of the Parish of Campanhã and Porto, and serve as a vehicle for disseminating the actions of non-governmental organizations and government officials in the city.”

It is a process based on feedback that strengthens the critical thinking of young people and adults, not only in relation to the media, but also to the existence of public policies that benefit their surroundings and, mainly, in relation to the realization of citizens’ rights.

The Campanh’Up Platform has been co-created with local associations OUPA and APPC. It went through an experimentation phase in 2020 before being launched in 2021. On the one hand, for Ricardo Lopes, from OUPA, who has been the driving force behind this initiative “something must be born that makes us stop, look at Campanhã, think of ways to rehabilitate it, to potentiate it, to live it” , as mentioned in an interview with the newspaper Público. On the other hand, for Isabel Rute, from the APPC Association that has been supporting the development of the Platform, “creating spaces to catalyze processes and actively connect people, help to deepen the knowledge of the community and at the same time reinforce the local associative fabric, is so necessary and urgent to democratic processes today ”.

The Campanh’Up Platform aims to go beyond the digital context, and to mobilize the means to express ideas or initiate actions. Therefore, although it is not yet accessible online, the Platform has already created spaces for collective expression, discussion and action between different groups. In practice, it has strengthened the participation and involvement of the Campanhã community in inclusive regeneration processes through community and cultural communication.

During the months of February and March 2021, the young people participating in the training will experience in practice the contents learned during the training workshops and will conduct interviews, photo reports and videos in the community where the URBiNAT project is being implemented. The products will be available soon on the various platforms and social networks of the project.

  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image

The contribution to this process comes from the organization Viração Educomunicações, which has been operating in Brazil and Portugal for 18 years. The organization is responsible for promoting this cycle of training and mentoring in community communication for young people and professionals at the Living Lab in Porto, in order to enhance the Campanh’up Platform. And not only.

The experience of Viração in the Youth Press Agency has contributed to this goal.The Agency was created 15 years ago, during the World Social Forum in Porto Alegre, and today it has offices in several countries and websites in Portuguese, English, Spanish and Italian. Journalists and educommunicators facilitate training meetings: Paulo Lima, Monise Cristina and Pedro Neves.

Image

Educomunicação e regeneração urbana: jovens se mobilizam para contar histórias e visões de futuro sustentável na Freguesia de Campanhã

Quatro encontros de formação, reuniões para preparar guiões e entrevistas, saídas em campo para produção de fotografias e vídeos. É assim que um grupo de 08 jovens e técnicos do Projeto URBiNAT estão criando novas narrativas sobre a freguesia de Campanhã no Porto, através da comunicação comunitária.

Este conceito é integrado no URBiNAT através da Plataforma Campanh’Up, uma proposta de Comunicação e Interação co-criada com os cidadãos no Living Lab do URBiNAT no Porto. Assim, a formação em comunicação comunitária pretende fortalecer o envolvimento ativo da comunidade nas questões sociais em que estão implicadas. 

Entre as atividades previstas nos encontros de formação está justamente aquela de promover e comunicar o território, contar as histórias dos seus moradores, fazer ecoar os seus projetos de vida e comunitários através da Campanh’Up

A formação aborda os seguintes temas em oficinas virtuais:

  • Educomunicação e o poder das redes sociais
  • Diagnóstico do uso das redes sociais no URBiNAT
  • Como se faz uma entrevista, um artigo e um comunicado de imprensa  
  • Instrumentos para fazer uma reportagem fotográfica
  • Instrumentos para fazer um vídeo para as mídias sociais
  • Comunicação comunitária: o que é e como se faz?
  • Mapeamento dos ativos de comunicação do território
  • Construção coletiva de um plano de trabalho sustentável para fortalecer a plataforma Campanh’Up

Na base da metodologia de trabalho proposta pela Viração está a Educomunicação. Trata-se de um campo do saber e de intervenção sociocultural definida como: “o conjunto de ações voltadas ao planejamento e implementação de práticas destinadas a criar e desenvolver ecossistemas comunicativos abertos e criativos em espaços educativos, garantindo dessa forma, crescentes possibilidades de expressão a todos os membros da comunidade educativa”, de acordo com o professor Ismar de Oliveira Soares do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo no Brasil.

Paulo Lima, fundador e diretor executivo da Viração, explica que as ferramentas de comunicação são simultaneamente compreendidas como processo e produto. São processos porque é por meio delas que os jovens e adultos vão começar a se abrir para o conhecimento de si e de seu território, realizando entrevistas, mapeando, fotografando e pesquisando.

“Este processo vai se consolidar em produtos de comunicação colaborativos, que têm o potencial de envolver outros agentes, expandir a rede de pessoas trabalhando pelo futuro sustentável da Freguesia de Campanhã e do Porto, servir como veículo de divulgação das ações de organizações não-governamentais e governamentais da cidade.” 

Um processo baseado na retroalimentação que fortalece o senso crítico dos jovens e adultos, não apenas em relação aos meios de comunicação, mas também à existência de políticas públicas que beneficiem seu entorno e, principalmente, em relação à efetivação dos direitos cidadãos.

A Plataforma Campanh’Up está a ser co-criada com as associações locais, nomeadamente com a OUPA e a APPC, tendo atravessado a fase de experimentação ao longo de 2020 e iniciado, em 2021, a fase de consolidação com esta formação. Por um lado, para Ricardo Lopes, da OUPA, que tem sido o dinamizador desta iniciativa “é preciso nascer algo que nos faça parar, olhar para Campanhã, pensar em formas de reabilitá-la, de potenciá-la, de vivê-la”, como refere em entrevista ao jornal Público. Por outro lado, para Isabel Rute, da Associação APPC que tem vindo a apoiar o desenvolvimento da Plataforma, “criar espaços para catalisar processos e conectar ativamente pessoas, ajudar a aprofundar o conhecimento da comunidade e simultaneamente a reforçar o tecido associativo local, é tão necessário quanto  urgente aos processos democráticos na atualidade”. 

A Plataforma Campanh’Up atua nesta perspectiva de ir além do contexto digital, e  mobilizar um conjunto de meios para expressar ideias ou iniciar ações. Por isso, embora ainda não esteja disponível online, a Plataforma já tem vindo a criar espaços para expressão coletiva, discussão e ação entre diferentes grupos. Na prática, tem fortalecido a participação e o envolvimento da comunidade de Campanhã em processos de regeneração inclusiva pela comunicação comunitária e cultural. 

Durante os meses de fevereiro e março os jovens participantes das formações irão experimentar na prática os conteúdos apreendidos durante as oficinas de formação e realizarão entrevistas, fotorreportagens e vídeos na comunidade onde o projeto URBiNAT está em implementação. Os produtos estarão disponíveis em  breve nas diversas Plataformas e redes sociais do projeto. 

 

 

  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image

A contribuição para este processo vem da organização Viração Educomunicação, que atua no Brasil e em Portugal há 18 anos. A organização é responsável pela promoção deste ciclo de formação e mentoring em comunicação comunitária para os jovens e profissionais do Living Lab do Porto, com o intuito de potencializar a Plataforma Campanh’up. A experiência da Viração na criação da Agência Jovem de Notícias tem contribuído para este objetivo.  A Agência foi criada há 15 anos, durante o Fórum Social Mundial de Porto Alegre, e hoje possui núcleos em diversos países e sites em português, inglês, espanhol e italiano. Facilitam os encontros de formação os jornalistas e educomunicadores: Paulo Lima, Monise Cristina e Pedro Neves.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *